Paredes em Transição

O movimento Paredes em Transição é uma rede de amigos que vivem na cidade de Paredes, no Norte de Portugal, que partilham a preocupação de que a debilitante dependência em combustíveis baratos de que a nossa sociedade e economia padecem – e que não está a receber a devida atenção dos vários governos, que parecem actuar na premissa de que o petróleo barato e abundante continuará por cá em perpetuidade – possa vir a resultar em graves e imprevisíveis problemas de que a tecnologia não conseguirá livrar-nos, e que poderão afectar muito negativamente o nosso futuro e o dos nossos filhos. Saiba mais no menu Projecto.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Geleia de Uvas Americanas

As uvas americanas, ou morangueiras, são um dos nossos frutos menos valorizados. Não tem qualquer valor comercial, mas são extremamente frutadas - e por essa razão são conhecidas nos Açores como uva de cheiro - e muito ricas em pectina, o que as torna especialmente apropriadas para fazer geleias.
A comercialização do vinho morangueiro foi proibida ainda durante o Estado Novo, e ainda hoje assim continua, se bem que já se fale em voltar a permitir a sua comercialização. Uma das razões apontadas para a proibição era, alegadamente, que durante o processo de vinificação a pectina existente nestas uvas se desdobrava em etanol, produto extremamente tóxico. No entanto, sempre houve quem protestasse que a proibição tinha mais a ver com a protecção comercial aos vinhos de castas europeias.
Encontrei isto na WikiPedia:

Estudos mais recentes vieram lançar dúvidas sobre os efeitos nefastos da malvina e demonstrar que a presença de metanol é mais o resultado da má vinificação do que das características intrínsecas das uvas americanas
Apesar da proibição de comercialização, sempre houve quem sempre teimasse em o produzir para auto-consumo, e o vinho morangueiro era, a par do vinho verde, o vinho mais popular na nossa região (talvez por estas vinhas serem mais produtivas). Graças a isso, estas uvas ainda podem ser facilmente encontradas cá pelas Terras do Sousa.

Bom, de qualquer modo, não há processo de vinificação envolvido na confecção de geleia com estas uvas, de maneira que o problema não se coloca e as uvas não poderiam encontrar melhor aplicação. Garanto.

Ora há dias, num espírito de Transição e de criar resiliência, alguns elementos do movimento Paredes em Transição encontrar-se em casa da nossa camarada Vanda para aprender a confeccionar esta delícia que é a geleia de uvas americanas. Vou mostrar alguns dos passos e a Vanda, mais tarde, colocará neste blog o filme que está a terminar.

Primeira fase: os bagos são extraídos um a um, e em seguida são lavados e secos. 

Mais tarde há que os ferver para permitir que os açúcares da fruta se espalhem e que a pectina vá tornando a mistura mais espessa.

Até adquirir este aspecto.


Depois há que coar para extrair cascas e grainhas.

Depois há que adicionar o açúcar (metade do peso das uvas) e deixar ganhar ponto. O aspecto é igual ao da imagem acima e garanto que é a melhor geleia que já provei. É preciso mais?


Nesta tarde ainda se fizeram mais algumas experiências com pão, pizza e molho Pesto. A actividade foi uma das mais gratificantes (e mais doces!) que tivemos até ao momento e cada um de nós saiu mais enriquecido, tendo ganho mais um crédito para disciplina de auto-suficiência!

2 comentários:

Zé Miguel Gomes disse...

Tenho que documentar as fabulosas geleias e doces que a minha sogra faz... :)

Miguel Ângelo Leal disse...

Tens é que crvar a tua sogra para nos ensinar os segredos dela! ;-)